Sacrifício pela vida





A consciência do sacrifício é antiga. Começou no Jardim do Éden. O Altíssimo precisou sacrificar um animal para cobrir a nudez de Adão e Eva, substituindo assim as folhas de figueira, inspiradas pelo diabo.
As folhas de figueira tipificam a pretensão das religiões em cobrir a nudez do pecado sem sacrifício. As igrejas evangélicas, em geral, também fazem isso. Procuram alargar a porta do Reino de Deus com uma doutrina separada do sacrifício.
Não havia outro meio de o Senhor resolver o problema da nudez de Adão e Eva sem a morte do animal? Se houvesse, Ele o teria feito.
Não havia outro meio de salvar a humanidade sem o sacrifício de Jesus? Se houvesse, Ele o teria feito.
Como se vê, o sacrifício não é questão de opção. Desde o momento em que se quer alcançar um objetivo na vida, obrigatoriamente, há que se lançar mão do sacrifício.
O caráter do ladrão recusa o sacrifício. Prefere conquistar pelo sacrifício alheio. Mesmo assim, sem querer, arriscam a liberdade e até a vida para roubar. E não é isso também um sacrifício?
O assassino prefere matar a perdoar e deixar a vítima livre.
O orgulhoso prefere manter sua arrogância a se humilhar e pedir perdão.

Não tem jeito!
Não existe uma única área na vida secular ou espiritual que não se aplique o sacrifício.
Para uma profissão de sucesso, há que se empenhar nos estudos;
Para se ter um salário mensal, tem de trabalhar;
Para se manter um casamento sólido, o casal tem de sacrificar um pelo outro;
Para se ter encontro com Deus, tem de sacrificar a carne;
Para se manter na fé, tem de sacrificar a própria vontade;
Para se alcançar a salvação eterna da alma, tem de sacrificar, dia após dia.

Jesus disse: “… quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida (sacrifício) por Minha causa achá-la-á.” Mateus 16.25
Nas disputas esportivas, os atletas costumam fazer o sinal da cruz antes de entrarem em campo. Ou seja, fazem suas preces para não se acidentarem e lograrem êxito na partida.
Outros apelam aos bruxos e feiticeiros.

O sacrifício era tão necessário e eficiente que, antes das nações entrarem em guerra, seus respectivos sacerdotes faziam oferendas, até de crianças, para alcançarem favores dos deuses.
A história do povo de Israel documenta fatos em que só os sacrifícios o livraram.
Apesar das Alianças, de ser o povo escolhido, de possuir as promessas e, sobretudo, ter nos seus antepassados uma história de fé, fidelidade e compromisso com Deus, ainda assim, na hora dos apertos, ele teve de sacrificar para sobreviver.

Na guerra com os filisteus, Saul, apertado pelas circunstâncias, desobedeceu ao profeta Samuel e ofereceu sacrifício para evitar que seu exército desertasse. I Samuel 13.8-14
Ele não tinha autoridade para executar o sacrifício. Isso era tarefa exclusiva dos sacerdotes. Porém, movido pelo espírito do medo, se apressou em fazê-lo. Por conta disso, Deus Se arrependeu de tê-lo constituído rei.
Naquela altura, o sacrifício feito antes da batalha significava garantia de sucesso. Com essa consciência, os soldados partiam para cima dos inimigos absolutamente certos da vitória. Sabiam que o segredo da vitória estava no sacrifício a Deus.
O diabo e seus filhos odeiam o sacrifício. Nem Jesus falando: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me.” Mateus 16.24, os irmaus acreditam.
Quem não estiver disposto a seguir essa regra, nem adianta aceitar Jesus como Senhor e Salvador.
O Senhor Jesus exige os três níveis de sacrifício:
Primeiro: Negar-se a si mesmo;
Segundo: Tomar a sua cruz e
Terceiro: Seguí-Lo.

Qual dos três é mais fácil? Nenhum.
Todos exigem sacrifício, sacrifício e sacrifício.
Quem crê, vai.
Quem não crê, fica para trás, com as virgens néscias. Mateus 25.1-13





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dieta dos três dias

Se preparando para os 21 dias do Jejum de Daniel.

Campanha pela nossa vida Espiritual