23 de dezembro de 2011

A Falta do Óleo

Infelizmente, muitos têm feito do altar um esconderijo pessoal, e não um lugar de constante sacrifício.

Pensam, como consequência de uma consciência cauterizada, que ali estarão “protegidos”, que seu verdadeiro estado espiritual não será revelado.
Como se o fato de estarem no altar fosse uma garantia vitalícia, para que estivessem livres de serem tentados, ou que não precisam mais lutar a cada dia por sua salvação. Triste engano!
Há algumas semanas, ocorreu um episódio que serve de alerta para os que estão nessa posição.
Por não ter nascido do Espírito Santo, a esposa de um pastor o traiu, após sete anos de casados.
Nada lhe faltava. O marido sempre foi dedicado, amigo, parceiro, fiel a Deus e, consequentemente, fiel à esposa. O que mais pode uma esposa querer de um marido?
Mas, sabe-se lá porque cargas d'água, ela virou a cabeça. Agiu movida por um espírito de paixão que a dominou, sem pensar nas consequências de que o preço do pecado é a morte física e/ou espiritual.
Imediatamente, ele a deixou ir. Ela, agora sem chão, sem um provedor, voltou para a casa de seus parentes.
Então, chorando, com remorso, foi pedir ajuda à esposa do líder daquele país. Tentando encontrar o amparo e a segurança que perdeu, ela queria “óleo emprestado”, de quem sabia que tinha. Estava disposta a submeter-se a qualquer trabalho, a qualquer situação que lhe fosse proposta, desde que estivesse próxima a esta “segurança”; a suposta paz perdida.
Esta esposa, querendo ajudar, mas, ao mesmo tempo, não querendo impedir o trabalho do Espírito Santo, lhe disse:
“Você se lembra das cinco virgens néscias? Pois é. No momento da volta do noivo, elas estavam sem azeite em suas lâmpadas. Correndo, foram até as cinco demais virgens sensatas. E elas responderam: não podemos tirar do nosso e dar a vocês, porque será o caso de também faltar para nós. Vão ao mercado, urgente, para comprá-lo. Mas, como não havia mais tempo, ficaram do lado de fora.”
A esposa do bispo, concluindo, lhe disse: “Não posso tirar do meu óleo e dar a você. Busque enquanto é tempo, para que não seja o caso de lhe faltar óleo para o encontro do Noivo.”
Veja que Deus não atua pelo sentimento, não! Ele não terá “pena” daqueles que estarão batendo do lado de fora, na última hora.
Agora, ainda há chance de comprar e ser rica espiritualmente. Ou será que não percebe que o azeite está acabando? Claro, que sim!
Mas por que será que tantos, quando lembram que precisam dele, se veem vazios, sem nenhuma gota? É a falsa segurança em que muitos vivem, perto do altar.
A cegueira espiritual dá a sensação de que podem brincar um pouquinho com a sensualidade, sem correr risco de dar à luz a algum bastardo. Tiago 1.14-15.
Quando pecamos, perdemos os direitos adquiridos. Não adianta reclamar, espernear ou querer se justificar...
Só aqueles que se submetem ao Senhor Jesus e assumem quem são diante de Deus e dos homens, recebem o PODER DE SE TORNAREM Filhos de Deus. Estes, sim, estão aptos a receber o Espírito Santo para não lhes faltar a unção.
A falta do óleo, cedo ou tarde, fará os néscios baterem à porta dos outros.

21 de dezembro de 2011

Sacrifício pela vida





A consciência do sacrifício é antiga. Começou no Jardim do Éden. O Altíssimo precisou sacrificar um animal para cobrir a nudez de Adão e Eva, substituindo assim as folhas de figueira, inspiradas pelo diabo.
As folhas de figueira tipificam a pretensão das religiões em cobrir a nudez do pecado sem sacrifício. As igrejas evangélicas, em geral, também fazem isso. Procuram alargar a porta do Reino de Deus com uma doutrina separada do sacrifício.
Não havia outro meio de o Senhor resolver o problema da nudez de Adão e Eva sem a morte do animal? Se houvesse, Ele o teria feito.
Não havia outro meio de salvar a humanidade sem o sacrifício de Jesus? Se houvesse, Ele o teria feito.
Como se vê, o sacrifício não é questão de opção. Desde o momento em que se quer alcançar um objetivo na vida, obrigatoriamente, há que se lançar mão do sacrifício.
O caráter do ladrão recusa o sacrifício. Prefere conquistar pelo sacrifício alheio. Mesmo assim, sem querer, arriscam a liberdade e até a vida para roubar. E não é isso também um sacrifício?
O assassino prefere matar a perdoar e deixar a vítima livre.
O orgulhoso prefere manter sua arrogância a se humilhar e pedir perdão.

Não tem jeito!
Não existe uma única área na vida secular ou espiritual que não se aplique o sacrifício.
Para uma profissão de sucesso, há que se empenhar nos estudos;
Para se ter um salário mensal, tem de trabalhar;
Para se manter um casamento sólido, o casal tem de sacrificar um pelo outro;
Para se ter encontro com Deus, tem de sacrificar a carne;
Para se manter na fé, tem de sacrificar a própria vontade;
Para se alcançar a salvação eterna da alma, tem de sacrificar, dia após dia.

Jesus disse: “… quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida (sacrifício) por Minha causa achá-la-á.” Mateus 16.25
Nas disputas esportivas, os atletas costumam fazer o sinal da cruz antes de entrarem em campo. Ou seja, fazem suas preces para não se acidentarem e lograrem êxito na partida.
Outros apelam aos bruxos e feiticeiros.

O sacrifício era tão necessário e eficiente que, antes das nações entrarem em guerra, seus respectivos sacerdotes faziam oferendas, até de crianças, para alcançarem favores dos deuses.
A história do povo de Israel documenta fatos em que só os sacrifícios o livraram.
Apesar das Alianças, de ser o povo escolhido, de possuir as promessas e, sobretudo, ter nos seus antepassados uma história de fé, fidelidade e compromisso com Deus, ainda assim, na hora dos apertos, ele teve de sacrificar para sobreviver.

Na guerra com os filisteus, Saul, apertado pelas circunstâncias, desobedeceu ao profeta Samuel e ofereceu sacrifício para evitar que seu exército desertasse. I Samuel 13.8-14
Ele não tinha autoridade para executar o sacrifício. Isso era tarefa exclusiva dos sacerdotes. Porém, movido pelo espírito do medo, se apressou em fazê-lo. Por conta disso, Deus Se arrependeu de tê-lo constituído rei.
Naquela altura, o sacrifício feito antes da batalha significava garantia de sucesso. Com essa consciência, os soldados partiam para cima dos inimigos absolutamente certos da vitória. Sabiam que o segredo da vitória estava no sacrifício a Deus.
O diabo e seus filhos odeiam o sacrifício. Nem Jesus falando: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me.” Mateus 16.24, os irmaus acreditam.
Quem não estiver disposto a seguir essa regra, nem adianta aceitar Jesus como Senhor e Salvador.
O Senhor Jesus exige os três níveis de sacrifício:
Primeiro: Negar-se a si mesmo;
Segundo: Tomar a sua cruz e
Terceiro: Seguí-Lo.

Qual dos três é mais fácil? Nenhum.
Todos exigem sacrifício, sacrifício e sacrifício.
Quem crê, vai.
Quem não crê, fica para trás, com as virgens néscias. Mateus 25.1-13





13 de dezembro de 2011

O Caráter de Deus



“Quase todos são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o caráter de alguém, dá-lhe poder.” Abraham Lincoln
O caráter de alguém diz respeito à sua moral, índole ou modo de ser e agir.
Somente os nascidos do Espírito Santo são habilitados para manifestar o caráter de Deus. Isso porque Seus filhos tornam-se espíritos. João 3.6
A natureza emotiva ou carnal é transformada em natureza racional ou espiritual.
Por essa razão, muitos não entendem o motivo pelo qual são fiéis à igreja ou até mesmo religiosos e, ainda assim, não conseguem ter um comportamento compatível à fé cristã.
Na igreja são uma coisa; distantes dela, são outras criaturas.
Na igreja são santas, educadas e, aparentemente, espirituais.
Em casa, no trabalho ou entre amigos são carnais, grossas e, visivelmente, perturbadas.
Isso acontece porque não nasceram do Espírito Santo. Não têm a natureza de Deus. São convencidas, mas não convertidas. O caráter de cada um fala por si.
A natureza humana é emotiva e teve início com Adão e Eva. Deus os criou almas viventes.
A natureza Divina é espiritual e teve origem com Jesus. Elenão foi criado por Deus, mas gerado pelo Espírito de Deus. Portanto, espírito vivificante. I Coríntios 15.45
O mesmo processo realizado pelo Espírito de Deus para o nascimento de Jesus tem de acontecer com cada discípulo de Jesus. Do contrário, continuarão com a velha natureza adâmica. E o pior: não serão considerados como filhos de Deus. João 1.13
Daí a grande função do Espírito Santo:
Para uns, Ele vem fazê-los nascer de novo.
Para os já nascidos de novo, Ele vem carimbar com o Selo de Deus.
Esse é o batismo realizado pelo Senhor Jesus.
Os primeiros apóstolos nasceram de novo quando Jesus soprou sobre eles o Espírito Santo. João 20.22
Mas só no dia de Pentecostes eles foram batizados com o Espírito Santo. Atos 2.1
Como se vê, a grandeza da vinda do Espírito Santo não é para se falar em línguas. Mas para manifestar o mesmo caráter do Seu primeiro Filho: Jesus.
Fonte: Blog Bispo Macedo

12 de dezembro de 2011

Boas Festas ou Jejum?

Muitas pessoas sabem que o derramamento do Espírito Santo ocorreu no dia de Pentecostes, mas a maioria não sabe o que este dia representava para os judeus.
O Pentecostes era uma festa instituída por Deus, mas o espírito religioso tomou conta desta data, deixando de lado o espírito da fé. Pois, se a adoração dos que estavam na festa agradasse a Deus, eles também teriam recebido o Espírito Santo.
Nessa época, Jerusalém estava cheia de estrangeiros, já que muitos viajavam para estar com a família ou se divertir. Além disso, a comemoração consistia em dar presentes às viúvas e aos pobres (Leia Deuteronômio 16.11-12).
Porém, os 120 discípulos que estavam alheios a tudo isso, preferiram ficar no Cenáculo. Ainda que fosse uma ofensa, eles quebraram a tradição e não se importaram com as críticas e o julgamento dos demais. Eles decidiram desprezar os costumes, para se dedicarem a um propósito mais sublime: estar 100% consagrados a Deus.
Ninguém na festa recebeu o Espírito Santo, mas todos que estavam no Cenáculo, separados da religiosidade festiva, foram batizados com o Espírito de Deus.
Os que estavam na festa sentiram a "alegria" passageira causada por algo material: vinho, música, lucro do comércio, turistas, etc. Porém, a alegria terminou junto com a festa. Da mesma forma, acontece nos dias de hoje. Entretanto, os 120 foram selados pelo próprio Deus-Filho, e suas vidas nunca mais foram iguais.
Qualquer um pode receber algo do homem, como, por exemplo, herança, dinheiro, conselho, carinho, ajuda, entre outros. Mas o Espírito Santo é algo que só Deus pode dar. Ele é a prova de que houve uma conexão com o próprio Criador; um sinal que a pessoa está bem com Deus.
Como duvidar dEle, depois de haver recebido Algo tão maravilhoso que nenhum homem, festa, dinheiro ou outra coisa pode lhe dar?
Por isso, os que se dedicarem durante os 21 dias do Jejum de Daniel, no Cenáculo Universal do Espírito Santo, receberão o Espírito de Deus.
Enquanto isso, o mundo
estará participando da festa pagã do Natal.
Na fé,
 
 

9 de dezembro de 2011

7 de dezembro de 2011

Apartai-vos de Mim

Forte. Extremamente forte. Especialmente, para quem realiza a Obra de Deus.
A mensagem de Jesus era dirigida aos oprimidos, conforme Isaias 61;1

Às vezes, interrompia Seu discurso e estimulava a fé no pedi, buscai e batei - salvação do corpo. Outras tantas, focava a mensagem na salvação da alma - e o que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora.
Mas em Mateus 7.13-23 Ele fortalece, pelo menos, 7 pontos:
1º- a porta estreita;
2º- a cautela sobre os falsos profetas;
3º- a árvore que dá bons frutos;
4º- a árvore que é cortada e lançada no fogo;
5º- nem todo crente entrará no Reino dos céus;
6º- o que faz a vontade de Deus;
7º- o que realiza Sua Obra.

Chama atenção Sua ênfase aos MUITOS realizadores da Obra de Deus que, naquele dia, Lhe dirão: “Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em Teu Nome, e em Teu Nome não expelimos demônios, e em Teu Nome não fizemos muitos milagres?”
Quem faz a vontade de Deus cuida da própria salvação; quem realiza a Obra de Deus cuida da salvação dos demais. Porém,  de nada adianta ganhar o mundo inteiro, mas relaxar no seu relacionamento com Deus e perder a sua alma.
Obviamente, quem é nascido de Deus pensa como Ele e quer ganhar almas. Porém, há muitos que, supostamente, realizam a Obra de Deus. Não, por paixão pelas almas, mas por si mesmos. Paulo os chama de mercadejantes da Palavra. 2 Coríntios 2.17
Naquele Dia ouvirão: "Apartai-vos de Mim os que praticais a iniquidade."

Os verdadeiros servos renunciam suas vidas, renunciam seus sonhos e vivem para sonhar os sonhos de Deus. Não só realizam Sua Obra, mas, sobretudo, fazem Sua vontade

17 de outubro de 2011

Imaturidade na Fé

Já observou crianças brincando? O grau de pureza e inocência é tão acentuado que atrai e diverte qualquer adulto.
Contudo, suas atitudes nem sempre são saudáveis. Há momentos difíceis de controlar seus impulsos, principalmente quando querem coisas fora de hora. Diante disso, muitas se tornam malcriadas e, às vezes, até incontroláveis.
Tudo isso por conta de suas emoções estarem à flor da pele. Não pensam, não medem as consequências, não têm noção de perigo… nada!
Assim são os imaturos na fé. Acreditam que Papai do céu tem de atender suas petições na hora, independentemente de Sua vontade.
Tal criancice espiritual seria até compreensível, se não fossem as ameaças de abandono da fé. Como se o Senhor Deus dependesse deles.
Outros, por muitos anos, têm investido na construção de verdadeiros castelos de problemas. E quando têm acesso à fé querem usá-la como varinha mágica para resolvê-los da noite para o dia.
Além deles, há aqueles cuja fé não desenvolve por conta de ciúmes e contendas acentuados em seu caráter. Para esse tipo de "cristão" o apóstolo Paulo disse:
“Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais e sim como a carnais, como a crianças em Cristo.
Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais.
Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?”
I Coríntios 3.1-3

6 de outubro de 2011

A serpente e o vaga-lume


Conta a lenda que certa vez uma serpente começou a perseguir um vaga-lume.
Este, fugia rápido, com medo da feroz predadora, e a serpente nem pensava em desistir.
Fugiu um dia e ela não desistia, dois dias e nada...
No terceiro dia, já sem forças, o vaga-lume parou e disse a serpente:
—Posso lhe fazer três perguntas?
—Não costumo abrir esse precedente a ninguém, mas já que vou te devorar mesmo, pode perguntar...
—Pertenço a sua cadeia alimentar?
—Não.
—Eu te fiz algum mal?
—Não.
—Então, por que você quer acabar comigo?
—Porque não suporto ver você brilhar…
Muitas vezes não entendemos as perseguições sem precedentes, as implicâncias, as mentiras etc.
Mas aí está uma das razões...
Simplesmente não suportam nos ver brilhar!!!

29 de setembro de 2011

Oração não desfaz maldição.


Não tem jeito!
Há situações que nem oração resolve.
Veja o caso do rei Davi, por exemplo.
Satanás o incitou a levantar o censo de Israel. Não havia necessidade. Até aquele momento Israel tinha conquistado muitas vitórias sobre seus inimigos.
Era amado pelo povo e, sobretudo, pelo Deus de seus pais.
Mas movido pela fraqueza da vaidade queria saber dos números de soldados para os próximos embates.
Ou seja, desprezou o auxílio Divino para apoiar-se na força física. Tal pecado abominável suscitou a ira de Deus.
O conselho de seu fiel comandante não teve efeito. O conceito elevado de si mesmo o havia cegado. Satanás se aproveitou disso e tirou vantagem.
O orgulho do rei subiu à cabeça e seu pecado aos céus.
“…o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção” Gálatas 6.8.
Davi plantou orgulho e colheu maldição.
A partir daí, as orações do rei não tinham qualquer efeito diante de Deus.
Nem sua confissão e arrependimento moveram o coração de Deus.
Os céus se fecharam para Davi porque a maldição já tinha sido determinada.
Ainda assim, o Senhor lhe deu três opções de punição:
1- Três anos de fome em Israel;
2- Três meses nas mãos inimigas ou
3- Três dias de peste em todo Israel.
Então respondeu ao profeta: “Estou em grande angústia; caia eu, pois, nas mãos do Senhor, porque são muitíssimas as Suas misericórdias, mas nas mãos dos homens não caia eu”. I Crônicas 21.13
E agora, o que fazer para reverter aquela situação?
Orações? Clamores? Louvores?
Ofertas? Jejuns? Vigílias?...
Que atitude de fé poderia tocar a Deus para cessar a maldição?
Vestido de humilhação (pano de saco), Davi insistiu com Deus:
“Não sou eu o que disse que se contasse o povo? Eu é que pequei, eu é que fiz muito mal; porém estas ovelhas que fizeram? Ah! Senhor, meu Deus, seja, pois, a Tua mão contra mim e contra a casa de meu pai e não para castigo do Teu povo.” I Crônicas 21.17
Finalmente, veio a resposta do próprio Deus:
Sacrifício na Eira de Araúna, local que mais tarde viria a ser construído o Templo de Salomão.
Neste domingo, iremos à construção do Templo de Salomão para apresentar o sacrifício dos amaldiçoados.
Se o leitor carrega em si uma maldição, e estiver interessado em participar deste propósito de fé, entregue seu sacrifício até domingo em qualquer IURD.
Deus tenha compaixão dos caídos!

Não há problema órfão.



Não foi à toa que o Senhor Jesus disse: “Pelo fruto se conhece a árvore.” Mateus 12.33
Ele sabia muito bem o que estava falando e onde queria chegar.
A princípio, Ele apelou para a lógica: Se isso, então aquilo. Nesse caso, se o fruto é bom, a árvore é boa. Se o fruto é ruim, a árvore é ruim.
Isso é lógico, inteligente e indisputável. Deus nos chama a essa inteligência. Ele quer que usemos a lógica para descobrir a raiz de nossos problemas.
Por mais de vinte e poucos anos, no meu trabalho, eu venho aconselhando pessoas com os mais diversos problemas. Raramente alguém chega até nós sabendo qual é a raiz do seu problema.
Normalmente, as pessoas querem a solução do problema visível, que está lhe causando dor naquele momento. Elas não se dão conta de que todo problema tem uma origem, uma raiz.
Falam em querer arrumar um emprego, melhorar a comunicação no relacionamento, deixar um vício etc. Só que tudo isso são apenas “folhas” e “galhos” de uma árvore que tem uma raiz muito mais profunda.
Não há problema órfão.
O desemprego foi gerado por um ou mais fatores. A falta de comunicação acontece por outras razões maiores que estão afetando o relacionamento. O vício é apenas um sintoma, não a doença em si.
Assim como ninguém nasce sem a ação de um pai e de uma mãe, nenhum problema vem do nada.
Lógica e inteligência. É com essas armas que Deus quer que lutemos contra nossos problemas.
Você quer aprender a usá-las?
Neste domingo, iniciaremos uma campanha de 7 domingos para ensinar as pessoas a descobrir a raiz dos seus problemas.